SEJA O HOMEOPATA DA SUA FAMÍLIA


Nossa saúde, bem estar e harmonia são o tesouro mais precioso que poderíamos obter e, para que ela se mantenha, nosso núcleo familiar - cônjuge, esposo(a), namorado(a), noivo(a), pais, filhos(as), pessoas mais próximas, que geralmente nos desestabilizam mental e emocionalmente, também necessitam estar saudáveis e harmonizados o mínimo possível.

Somos seres humanos e, como tais, regidos por sentimentos e emoções que podem ser maléficos ou benéficos para nossa saúde, dependendo de como eu os acolho e os processo no dia a dia. Não será uma única explosão de raiva ou um episódio esporádico de ansiedade e estresse em situação súbita que nos danificará, pois são condições próprias e normais, mas sim a sobrecarga do conjunto diário dos mesmos, a frequência com que sintonizamos é que nos será prejudicial aos órgãos e sistemas.

E, infelizmente, é esta periodicidade vibratória, que normalmente ocorre dentro de nosso núcleo familiar, nossa casa, decorrente do convívio diário, que causam as verdadeiras perturbações que nos desestimulam. Percebo que estão geralmente ligadas a situações que se tornaram crônicas, mal resolvidas, que são consideradas como que insolúveis e, neste caso, a causa mais comum está ligada aos adoecimentos em geral, à perda da integridade da saúde.

A baixa perspectiva e a insegurança de não conseguir uma solução real através da medicina convencional, pelo fato desta não atingir a causa do problema, mas sim tratar apenas o sintoma físico visível, é um grande gerador de ansiedades, conflitos, frustrações, medos, tristezas, depressões, etc. A consciência de que o familiar é um mero dependente dos remédios químicos em casos de doenças crônicas, que, se não é de fato emergência médica como acidentes, etc, são simples paliativos que somente lhe proporcionam uma sobrevida com perda gradativa da autonomia, em determinados casos, aumenta, na grande maioria das pessoas, a sensação de impotência, de perda do controle, até mesmo porque existe também o risco de ruína financeira devido as altas despesas médicas na vã esperança da convalescença rápida.

É-lhe intuitivamente claro que seu ente querido, um tesouro inestimável, possa não estar sendo tratado com todos os recursos disponíveis. Contudo, ele mesmo não possui o conhecimento de que existe uma outra forma de tratamento complementar, uma perspectiva com abordagem diferenciada em detrimento da usual, que não é meramente coadjuvante, mas que comprova, pelas pesquisas práticas, a sua eficácia, de que é capaz de proporcionar um acesso profundo na verdadeira origem das desarmonias.

A homeopatia não é a panaceia universal que comprova possuir habilidade de resolução de todos os problemas da humanidade, mas em contrapartida, é a terapia que mais age profundamente, tem um poder único e absoluto de, se bem aplicada, gerar um estímulo terapêutico que acessa a causa, a razão autêntica da desarmonia, do adoecimento, seja este mental, emocional ou físico. Esta capacidade quântica, vibracional do remédio homeopático, que se torna evidente por orientar-se usando a informação infinitesimal das substâncias das esferas materiais, abrange uma gigantesca profundidade de ação, pois além de restaurar aquele organismo específico de forma totalmente individualizada, porque trabalha as memórias de cada ser, também abrange, guia e ajusta as frequências daqueles que se encontram mais próximos ou em ressonância semelhante, independentemente do tempo e da distância.

E isso significa o quê? Significa que, se um familiar adoecido que está desestabilizando toda a unidade do grupo se tratar homeopaticamente, os demais membros também receberão benefícios positivos de forma bem perceptiva, real, porque ele estará em melhores condições de interagir, em primeiro lugar, intimamente consigo próprio. Esta interface intercepta as memórias adoecedoras que interferiam no intercambio organizado dos fatos intercorrentes, sejam estes do presente ou do passado do individuo ou mesmo coletivos, assim, todos os seus níveis de atuação irão refletir, de forma inexorável, nos demais seres e na composição do seu futuro próximo ou longínquo.

Se analisarmos por este ângulo, acredito que este fenômeno nos permite observar a harmonização e os adoecimentos coletivos. Seja qual for a denominação do problema ou o estágio de adoecimento que um indivíduo esteja enfrentando, a homeopatia indicada corretamente por um homeopata idôneo, ético e que possui por principio seguir Hipócrates, o "Não lesar em primeiro lugar", sempre irá produzir efeitos benéficos. Estes refletir-se-ão de forma inteligível a todas as dimensões dentro e fora do ser e serão sentidos, principalmente, pelos mais perceptivos e mais ainda por aqueles que se dedicarem intensamente ao estudo desta ciência quântica universal que irá ser dominante na vida futura de nosso planeta.

Portanto, mesmo que para você seja uma completa incógnita, que não domine a noção exata do que são realmente estas informações, permita-se sentir intencionalmente e conscientemente sua ação física e espiritual. E, após comprová-la na sua individualidade, estenda seus benefícios ao seio de sua família, principal núcleo que deve ser vigorosamente preservado para que pelo menos um membro incline-se a dar continuidade a estes conhecimentos, para que não sejam perdidos em meio a turbulência induzida pelas forças incompatíveis à conciliação da humanidade.

Não se apregoa aqui a necessidade de alcançarmos um estado ideal para agirmos, embora não nos cansemos de buscar a perfeição, que é incoercível, embora inatingível neste mundo que habitamos. O quanto estamos embevecidos com projetos de aprimoramento próprios e dos semelhantes, é o quanto possuímos condição energética de ajudá-los a aumentar a frequência de seu sistema imunológico que os emancipará para trilhar o caminho da prevenção de todos os males. Contudo, imbuídos pelo sentimento de ajudar nossa célula familiar e impulsionados e enaltecidos pela vontade de sermos alegres e mais saudáveis, vamos empregar nosso tempo e expectativas em algo que é imediato mas que não é ilusório, efêmero ou transitório, foquemos na contextualização e na contiguidade destes nossos interesses que logo observaremos o universo se curvar para nos brindar com uma imensidade de dádivas.

Prof Eliete M. M. Fagundes

Compartilhe nas Redes Sociais